WandaVision e a nova fase do UCM



Vivemos no ano de 2021 e ainda assim estamos atrás do marco cronológico do UCM (obviamente tomando os eventos de Vingadores Ultimato como referência) e, depois de muito tempo sem aparecer na mídia, a Marvel finalmente deu início à nova estratégia de interligar suas megaproduções da nova fase emplacando um sucesso após o outro tanto nos cinemas quanto na TV (via streaming).


Nessa matéria, nossa equipe traz uma análise geral dos eventos da série, alguns pontos de vista e por fim algumas especulações do que pode estar sendo prenunciado para as próximas atrações.


Sendo assim, faremos tudo isso em partes. O objetivo é não dar spoilers aos desavisados ou àqueles que ainda não assistiram a série e desejam fazê-lo num momento futuro. Então, prepare sua pipoca, se ajeite na cadeira e continue com a gente porque agora começamos a alterar as probabilidades desse assunto caótico enquanto mudamos (levemente) a realidade.


Trailer:


Sobre o que é a série?

Uma série televisiva de 9 episódios produzida pela Marvel Studios e veiculada via streaming por meio do serviço Disney+. A série tem entre outras coisas, a missão de iniciar o ambicioso projeto cross media da gigante do entretenimento ao mesmo tempo em que apresenta a nova fase do UCM. O que segundo nosso entendimento, deveria deixar de ser "apenas" um Universo Cinematográfico Marvel quando poderia ser algo mais: Multiverso Cinematográfico Marvel (ou algo parecido).


Cross media:

Para quem não sabe ou não conhece, Cross media é uma estratégia de marketing de divulgação que pode ser explicado de forma resumida como diversificação e interligação de conteúdo em mídias distintas como, revistas, séries, filmes, jogos etc. objetivando alcançar mais público e vender uma quantidade ainda maior de todos os produtos e serviços correlacionados.


No caso de WandaVision, a série surge como um projeto piloto e abrindo caminho para as novas histórias, começando a (finalmente) amarrar as pontas soltas desde os eventos ocorridos em Vingadores Ultimato. Já entre os objetivos comerciais, temos o claro incentivo à assinatura do serviço Disney+ visando a implementação de uma longa estratégia para envolver o público que deseja ter a experiência completa dessa nova fase.

Há quem diga que é possível (num futuro relativamente próximo) a Marvel tentar uma integração completa entre séries, cinema e até mesmo mesmo quadrinhos e jogos de videogame - Será?



Informação Tecnica:

A Série é dirigida por Matt Shakman, um diretor que traz um currículo interessante, tendo dirigido episódios marcantes de séries renomadas como: Dr House, Guerra dos Tronos, The Boys e outras. Sobre o elenco temos Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen) e o sintozoide Visão (Paul Bettany) que revivem seus respectivos papéis no UCM ao lado de outros destaques como a antes estagiária e agora Doutora, Darcy Lewis (Kat Dennings) que está no UCM desde do primeiro filme do Thor; o agente especial Jimmy Woo do FBI (Randall Park) e as novas adições como Mônica Rambeau (Teyonah Parris), personagem que ainda era criança no primeiro filme da Capitã Marvel (que se passa na década de 90); a carismática e enxerida vizinha Agnes (Kathryn Hahn), e o ambicioso Diretor da S.W.O.R.D (E.S.P.A.D.A), Tyler Hayward (Josh Stamberg).


A série não deixa claro, mas a gente acredita que o nome da personagem Agnes era uma pista para o nome verdadeiro da personagem, que é revelado somente mais próximo do final da série: AGatha harkNESs


Enredo Base:

Tudo indica que a Marvel já está executando os planos de entregar ao público uma variedade considerável de produções que, segundo a análise da Equipe do Fliperama de Verdade, possuem o intuito de mostrar aos fãs e curiosos tudo o que aconteceu durante os 5 anos em que metade do universo simplesmente deixou de existir e, como ficaram as coisas após outro estalo que deu o maior “CTRL+Z” da história do universo.


Partindo do princípio que um “espectador comum” pode entender que os eventos dos estalos ocorreram como num passe de mágica, nada mais justo do que começar a nova fase do UCM com um assunto tão pertinente quanto WandaVision, onde a gigante do entretenimento manipula as probabilidades a fim de presentear seu público (que assinou o serviço de streaming Disney+) com o escalonamento de poder até então inimaginável entre seus personagens do cinema.


Sendo assim, a série tem início pouco tempo depois da batalha épica ocorrida em Vingadores Ultimato, justamente quando Wanda se separa dos Vingadores para viver seu luto pelo Visão. Ou é o que todos nós acreditávamos até os 56 segundos do trailer principal da série entregar um mega spoiler com a fala de Agnes ao Sintozóide: Você está morto!


Com essa linha, a Marvel abre as portas para uma série de perguntas e teorias produzidas pela massa de fãs que vão desde o clássico “o que?” passando por “Como assim?”, “Onde estava a Wanda?”, “Como o Visão está vivo se ele está morto?” Que formato quadrado é esse?”, “Sério que vai ser em Preto e Branco?”, “O que é isso de Sitcom?”, “Quem são essas pessoas?”


O caminhão de perguntas acima tem algumas respostas nesta atração. Respostas que são entregues a todos por meio de um pacote considerável de emoções e sentimentos tão confusos quanto aquilo que aos poucos descobrimos se tratar dos poderes da protagonista.


Mas se engana quem pensa que a Marvel traria algo para o UCM que pudesse se resumir a apenas uma “simples” homenagem às grandes séries de comédia familiar de antigamente (as sitcoms das décadas de 50, 60, 70, 80 e 90), tão contrastantes com a época conturbada em que vivemos.


Então, sem querer jogar querosene na fogueira, além de tudo isso que a gente contou, a série traz (pelo menos) uma questão moral e ainda por cima, entrega um show case dos poderes e habilidades de todos os personagens presentes na trama, que se encerra de maneira bem convincente que, apesar das (propositais?) pontas soltas, sabemos que servem de ligação com o que está por vir no UCM.



Veredito da Equipe Fliperama de Verdade (sem spoilers):

Agora que terminamos de manipular a realidade, é hora de apresentar nossas impressões gerais sobre a série com o mínimo possível de danos colaterais (spoilers), certo?


Então, vamos lá! Começamos o fim da matéria dizendo que é impossível a Marvel não usar pelo menos parte dos acontecimentos ocorridos aqui nos próximos filmes. Todos os desdobramentos de WandaVision estão certamente ligados a pelo menos 3 filmes da nova fase.


Agora, se querem saber se achamos a atração boa ou ruim, responderemos com um questionamento simples: Tem algum filme do UCM que seja ruim a ponto de você não assistir outra vez? WandaVision tem seus méritos e problemas, mas acreditamos que é um tipo de atração que o público pode e deve assistir mais vezes - ainda mais depois de assistir às outras séries e principalmente após começarem os filmes da nova fase.


Gostou dessa matéria e quer mais? Continue acompanhando o Fliperama de Verdade no site e nas nossas redes sociais. Comentem com a gente sobre suas teorias do Universo Cinematográfico da Marvel.


Para os interessados de plantão, juntamos a Equipe do Fliperama de Verdade e mais alguns convidados para falarmos sobre os filmes produzidos dos X-Men e se damos "Continue ou Game-Over":


13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo