Fim de Days Gone 2?

Temos várias notícias sobre empresas que estão fechando suas portas por causa da Pandemia provocada pelo COVID-19 (para a nossa tristeza), e que algumas empresas estão tentando sobreviver com redução drástica de custos, além de adaptações à várias rotinas, como o uso mais frequente de colaboradores em Home-Office.


E com as grandes Corporações não poderia ser diferente em tentar levar o melhor do entretenimento com o menor custo possível. No dia 9 de abril de 2021, no site Bloomberg, o escritor Jason Schreier, comentou em sua reportagem que a Sony Bend Studio, sediada em Oregon, mais conhecida pelo jogo de ação de mundo aberto lançado em 2019 Days Gone (Trailer do jogo) tentou sem sucesso lançar uma sequência naquele ano e embora o primeiro jogo tenha sido de grande sucesso e lucrativo, seu desenvolvimento foi longo e a recepção da crítica foi mista, então um Days Gone 2 não foi visto como uma opção viável (Reportagem no Bloomberg) e que o foco seria em vez disso, uma equipe do estúdio para ajudar a Naughty Dog com um jogo multiplayer, enquanto um segundo grupo foi designado para trabalhar em um novo jogo Uncharted com supervisão da Naughty Dog.



David Jaffe é um famoso diretor, designer de jogos e criador da famosa franquia de jogos God of War. Aproveitando a situação da história do possível cancelamento de Days Gone 2, Jeff Ross convidou o diretor do jogo para uma entrevista em seu canal do Youtube.


Entrevista com o Diretor Jeff Ross no Canal do Youtube de Dave Jaffe:

Jess Ross aproveitou a entrevista para desabafar e falar de algumas coisas que estão acontecendo, como por exemplo onde ele explica que a Sony/Playstation não tem o dinheiro da Microsoft para gastar, e por conta disso, luta para sobreviver a cada geração. Ele explicou que o orçamento original de Days Gone (o primeiro jogo) foi muito superior ao que foi inicialmente apresentado. Ele falou ainda que Days Gone 2 ia custar muito mais dinheiro à Sony do que o orçamento final projetado.


A equipe da Sony Bend Studio cresceu de 45 para 120 colaboradores, tanto que existem vagas de emprego em aberto no site do Estúdio para contratar mais colaboradores. Com esse crescimento operacional, o número de unidades que precisam ser vendidas é um volume alto, para recuperar o dinheiro investido. Como Jeff Ross comentou na entrevista, a Sony não tem tanto dinheiro para gastar, e por conta disso, eles escolhem bem os projetos que apoiam, pois o sucesso de cada jogo financia o seguinte.


Na entrevista com Jeff Ross:

  • “A Sony precisa gerir de forma responsável o negócio. Não faz mal tomarem decisões baseadas na previsão do retorno do investimento pois precisam de dinheiro para financiar o próximo jogo”, disse ainda Ross, quando questionado sobre o que está acontecendo nos estúdios menores da Sony.”

  • “Para a Sony, cada era é sobre sobrevivência. Nunca tiveram imenso dinheiro, têm de ser inteligentes. Penso que os fãs devem compreender isso antes de começarem aos insultos”.

  • “É ingênuo pensar que é tudo magia, boa vontade e que estamos todos sentados fazendo corretamente, ao invés de fazer a melhor coisa para a companhia e fãs. Sim, muitos dos jogos pequenos geram imenso apreço e carinho pela marca, não faço ideia do estado desses ou do que está acontecendo, mas quando se está fazendo um jogo como Days Gone, a Sony não se intromete, isso é muito bom para um estúdio.”

  • “Se agora apenas podem financiar um número limitado desses jogos, penso que é compreensível. Infelizmente, para a Sony, criaram o seu nome nos últimos 10 anos com estes jogos single-player super polidos e emocionalmente cativantes e vendem muito bem e fazem muito dinheiro. Mas não trazem o dinheiro de Fortnite através dos renováveis, por isso têm de ter cuidado.”


Mesmo com as situações que Ross comentou durante a entrevista, uma coisa bacana que ele comentou, que foi sobre a postura da Sony em relação aos produtos produzidos em a Sony não força os estúdios a fazerem nada, mas compreendem que a aposta no projeto tem que significar um retorno comercial, uma vez que “os jogos são caros, os filmes são caros, para fazer mais, os primeiros têm de gerar dinheiro.


Uma das novidades que foram ditas na transmissão, que podem até assustar alguns gamers de plantão é que Jeff Ross está trabalhando na NetherRealm como game desginer, que é o estúdio responsável por Mortal Kombat desde 2010. Será que teremos alguma novidade na E3 2021, que está prevista para junho?


PlayStation valoriza o trabalho dos estúdios

Segundo Ross, a gigante japonesa não fica dando pitaco no trabalho dos desenvolvedores, o que dá liberdade para que jogos como Days Gone saiam do papel. Jogos menores geram empatia pela marca, mas o produtor fez questão de ressaltar que os jogos single-player com ótimas narrativas foram o que sustentaram o PlayStation no topo nos últimos 10 anos. O investimento limitado nesse tipo de produto é aceitável, visto que, segundo o diretor, nenhuma obra dessas apresenta um retorno semelhante a Fortnite, por exemplo.


Jeff Ross disse ainda que Days Gone 2 contaria com um modo online cooperativo e recursos não implementados no antecessor, de acordo com ele, a ideia era que os jogadores construíssem uma “base ou algo parecido”, para tentarem sobreviver. O investimento e a alta demanda de contratações podem ter sido um fator que levou a Sony a negar a produção da sequência. O estado oficial do game segue um mistério, e até o fechamento da matéria não tinha nenhuma novidade sobre o assunto.


Nós não desistimos e queremos!

Em resposta, um usuário da rede social divulgou a petição a favor da sequência da produção de Days Gone 2 — que por enquanto conta com pouco mais de 15.800 assinaturas, e nós da Equipe Fliperama de Verdade estamos apoiando. Link da Petição


Gostou da notícia e quer saber mais? Continue acompanhando o Fliperama de Verdade no site e nas nossas redes sociais.


Para os interessados de plantão, nós da Equipe Fliperama de Verdade, discutimos no Insert Coin Cast #12 sobre o uso do estilo de combate "Melee" ou "Ranged".



17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo