Castlevania: Uma Saga Épica!

Uma vez que é bem possível que ainda hajam pessoas que não tenham assistido Castlevania, vamos facilitar as coisas na forma de uma linha do tempo para situar quem ainda não teve essa experiência fantástica e, por fim, entregar o que a equipe Fliperama de Verdade achou da série.


Sendo assim, vamos lá!


Ainda em 2017 a gigante do serviço de streaming entregou um teaser incrível sobre aquela que se tornaria uma das melhores séries adaptadas, derivada de uma franquia clássica do mundo dos games diretamente para o mercado audiovisual via streaming. Foi prometido aos fãs (por meio de um simples teaser) que a produção honraria satisfatoriamente (em peso e carga de conteúdo) tudo aquilo que o nome Castlevania significa, focando seu enredo nas melhores coisas que esse tema tem a oferecer: Muita ação, terror leve e uma dose generosa de violência gratuita (até porque, contra monstros do inferno e criaturas da noite é de boas, rsrs).


Abaixo, o primeiro teaser liberado pela Netflix:

Vale ressaltar que, apesar do que era esperado de acordo com a moda da indústria de trailers, a Netflix fez um lançamento que mostrava apenas o necessário. Sem estragar a experiência do espectador nem gerar hype demais por lançar um trailer melhor que a própria atração, como foi o caso dos dois filmes abaixo:


Temporada 1

Finalmente chega o dia 07 de julho de 2017 quando o público constata que a Netflix cumpriu a promessa aos fãs, entregando uma série baseada no jogo de 1989, intitulado Castlevania III: Dracula’s Curse. Além de apresentar uma arte 100% inspirada em animes e no jogo Castlevania: Symphony of the Night (particularmente nas ilustrações de Ayami Kojima).


Está certo que nem tudo foi como esperado, já que os fãs teriam que se contentar com apenas aqueles 4 episódios de 23 a 25 minutos que, sim, eram TODA a primeira temporada. Mas se engana quem pensa que isso impediu que o roteiro estabelecesse o tom da trama e o ritmo narrativo por meio de um timing perfeito, implantando sensações que, no fim desses mais ou menos 100 minutos, o espectador se encontrasse desarmado e, sem dúvida nenhuma, torcendo pela vitória do Drácula!


Temporada 2

O sucesso da primeira temporada foi tão grande que não tardou até o público receber (feliz da vida) a confirmação da segunda temporada. Fato ocorrido durante a Anime Expo 2018. Quando a Netflix anunciou um trailer prometendo a segunda temporada para 26 de outubro de daquele mesmo ano.

Claro que todo os fãs dos 4 primeiros episódios estavam de prontidão na data esperada. Todos aguardando a Netflix liberar o acesso à nova temporada para se deleitar com uma montanha-russa de acontecimentos ao longo de 8 episódios (também de 23 a 25 minutos), onde Warren Ellis teve o dobro de tempo para aprimorar os personagens apresentados em 2017 enquanto construía e amarrava toda uma nova rede de tramas sem perder o passo narrativo.


No final da segunda temporada, os fãs acabaram sendo expostos propositadamente a uma mistura de sentimentos contraditórios, frente a tudo o que ocorreu na temporada anterior, já que a catarse vinha de todos os lados. Por fim, o roteiro ainda se dava ao trabalho de esclarecer que, a morte do Drácula, por mais anunciada e esperada que fosse, estava longe de significar o fim dos problemas daquele do mundo - Aqui é Castlevania baby!


Temporada 3

No auspicioso dia 31 de outubro de 2018, o site Deadline publica que a Netflix havia renovado a série para mais uma temporada e, no dia 04 de fevereiro de 2020 a conta Netflix Geeked no Twitter anunciou que, a terceira temporada estrearia no dia 05 de março.

A novidade seria a quantidade de episódios (agora seriam 10), sempre seguindo o padrão de 23 a 25 minutos cada.

Dessa vez a série desviou o foco da guerra contra as forças do Drácula, dando continuidade ao desenvolvimento de alguns personagens chave (enquanto introduz outros igualmente interessantes), deixando claro que, quando se trata de vampiros e dos mitos e lendas do universo Castlevania, essa história de cortar a cabeça da serpente faz o corpo morrer logo em seguida, é uma história mais furada do que tapar o sol com uma peneira.


Acesse e releia nossa reportagem sobre a terceira temporada da série Castlevania

Temporada 4

Dia 27 de março de 2020, novamente numa postagem da conta Netflix Geeked no Twitter, o serviço de streaming simplesmente declara aos 7 ventos que a temporada 4 está a caminho.

Depois de muito tempo sem qualquer anúncio ou menção à série, em 16 de abril de 2021 a mesma conta do Twitter solta um teaser trailer totalmente inesperado que, além de dar uma breve ideia do rumo que a trama tomaria, ainda revela a data de estreia para 13 de maio de 2021, informando (para a tristeza dos fãs) que seria a temporada final da série.

Desta forma, chegado o dia tão aguardado, o público (já cheio de expectativas) certamente não se arrependeu de esperar. A Netflix entregou um fim de temporada e fim de série sem deixar nada devendo a ninguém, trouxe o fechamento de (quase) todas as pontas soltas, o encerramento dos arcos e núcleos dos grandes personagens e, é claro, um final apoteótico digno dos 3 protagonistas que, fizeram frente a todas as Forças do Mal e criaturas da noite que foram convocadas pelas tropas e generais remanescentes do enorme exército do Drácula.


Por falar nas criaturas desgarradas do grande exército das trevas...


É bom deixar claro que, em se tratando do tema Castlevania, todo e qualquer jogador que conheça pelo menos um dos jogos da franquia já sabia (por experiência) que, os seguidores e adoradores (fiéis) do vampirão sempre estão tramando aberta ou secretamente alcançar o retorno de seu mestre. Além é claro daqueles que procuram realizar essa proeza apenas para usar ou canalizar seu imenso poder para alcançar objetivos ainda maiores, como foi o caso do personagem Saint Germain (subaproveitado demais na temporada anterior), se viu ludibriado por um espírito ancestral (Morte) em busca de realizar o impossível alquímico!

Tendo isso em mente, é preciso compreender que a série tem uma ideia divergente em relação às motivações de Dracula em retornar ao mundo dos vivos (como o faz nos jogos). Na série da Netflix, o roteiro deixa claro que Vlad estava apodrecendo (de bom grado) no Inferno ao lado de seu grande amor e, aparentemente não tinha nenhuma pretensão de voltar ao mundo dos vivos para destruir a raça humana e se vingar dos Belmont, o que se mostra bem avesso ao lore da franquia de jogos.


Por fim e não menos importante, a Netflix se encerra série concretizando aquilo que faz Castlevania ser o o que é no mundo dos games - Isso mesmo que você está pensando! Os caras realizaram o fanservice e trouxeram o Dracula de volta sim, mas não jeito que os fãs gamers esperavam. Ao que parece, a direção executiva optou encerrar a série, sem deixar brechas para um novo Castlevania, então não fazia sentido trazer de volta o monstrão sedento por vingança - Inclusive isso se aplica a praticamente todo o "núcleo bélico" da série que, acabou encontrando a paz, de um jeito ou de outro (o povo da Wallachia agradece).


Em Castlevania, não importa quantas vezes a família Belmont vença ou destrua o Drácula. O vampiro sempre volta ao mundo dos vivos dos jeitos mais inacreditáveis - Se você não sabia ou não esperava por essa, você ainda tem muito o que aprender sobre a franquia.

Constatações Fliperama de Verdade

Como adaptação de uma franquia que conta com mais de 30 jogos (desde o ano de 1983), a animação tomou a acertada decisão de focar em histórias que traduzem perfeitamente os temas que buscou abordar, com as suas características e peculiaridades. A busca - e o abandono - da própria humanidade, os perigos da fé cega, as armadilhas escondidas na ambição e até mesmo a coragem para amar apesar de tudo, são temas que embalam todas as jornadas dentro de Castlevania.

Essa decisão desvia drasticamente a animação dos trilhos que a levariam a ser apenas mais uma atração recheada de sangue e violência gratuita destinada ao público adulto, para ser uma atração que tem "algo mais". Se tornando uma das poucas adaptações diretas do mundo dos games que, apesar de muitas discrepâncias, teve a coragem de se apresentar como deveria, conquistando um posto muito difícil de ser alcançado nesse difícil mundo do transmedia.


Nós da equipe Fliperama de Verdade (e toda a fan base de Castlevania) esperamos que, apesar do fim da série, a Netflix continue com o maravilhoso trabalho realizado e confirme os boatos sobre já estarem trabalhando em spinoffs de Castlevania que sejam diferentes do arco baseado em Castlevania III: Dracula's Curse - mas qual outro arco seria igualmente incrível de se adaptar para uma animação nesse mesmo universo?


Entre todas as possibilidades que podem ficar muito bem no formato de série (apesar dos personagens), nós do Fliperama de Verdade gostaríamos de ver uma adaptação de Castlevaia: Lords of Shadow (trailer).


Depois de tudo isso que assistimos, pensamos e escrevemos, está claro que gostamos muito da série (de modo geral) e, segundo nosso sistema de avaliação, precisamos dizer que Castlevania da Netflix...

Gostou dessa matéria e quer mais? Continue acompanhando o Fliperama de Verdade no site e nas nossas redes sociais.


Para os interessados de plantão, que gostam de ação e uma boa pancadaria nos games e nas séries, o episódio 12 do nosso Insert Coin Cast da Equipe coloca a equipe Fliperama de Verdade para discutir sobre qual é o melhor estilo de combate: "Melee" ou "Ranged".



39 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo